Publicado em

Colesterol alto: o que pode e o que não pode na dieta

O colesterol é uma gordura naturalmente presente no organismo. Embora seja fundamental para o funcionamento, seu desequilíbrio pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares, como infarto e AVC. Segundo artigo publicado no site do Globo Esporte, cerca de 70% do colesterol circulando no corpo de uma pessoa é produzido pelo próprio organismo, no fígado. Os outros 30% provêm da dieta. Por isso, é extremamente importante conhecer os alimentos e suas propriedades para que, dessa forma, possa controlar os níveis de colesterol bom e ruim. A mudança no hábito e na alimentação é indispensável. Se você está preocupado com a saúde e quer melhorar sua qualidade de vida, veja a seguir algumas dicas de alimentos que devem ser evitados, os que ajudam a aumentar o colesterol bom e os que podem auxiliar no controle do colesterol alto. Vamos ser mais saudável?

O colesterol ruim

Para entender melhor essa gordura, é preciso saber que existem dois tipos de colesterol: o que faz bem e o que faz mal. O LDL, ou o mau colesterol, é uma lipoproteína responsável por transportar o colesterol pela corrente sanguínea, para células e tecidos. Por ser de baixa densidade, quando está em nível elevado no sangue, pode se acumular nas artérias e coronárias. O resultado é a formação de placas de gordura que dificultam o fluxo do sangue nos vasos do coração e do cérebro. Essa é a causa do que conhecemos por “entupimento” e, consequentemente, aumento do risco dos temidos acidente vascular cerebral (AVC) e do infarto. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), no Brasil, aproximadamente 40% da população tem colesterol alto.

O colesterol bom

Já o colesterol HDL, conhecido como bom colesterol, é uma lipoproteína de alta densidade. Ela é capaz de retirar o colesterol ruim (LDL), que fica depositado nas artérias, e transportá-lo para o fígado, onde pode ser metabolizado e eliminado. Por ser fundamental para o bom funcionamento do corpo, o baixo nível de colesterol bom pode ser tão ruim quanto o LDL alto e também pode contribuir para o risco de doença cardiovascular. Assim, o ideal é que os níveis de HDL sejam elevados. Esse nível pode ser obtido com mudanças de hábito e estilo de vida, prática de atividades físicas e no cuidado com a alimentação, já que 30% da produção do colesterol depende da dieta. Sendo assim, confira a seguir o que comer e o que evitar para equilibrar o colesterol. Sinta os reflexos da alimentação saudável em sua vida!

Alimentos que devem ser evitados

Os alimentos ricos em gorduras e açúcares são os que mais devem ser evitados por quem tem colesterol alto. Veja alguns exemplos:

Embutidos, enlatados e industrializados

Os alimentos processados são extremamente consumidos por oferecerem praticidade. Eles se apresentam como uma verdadeira “solução” para quem não gosta de cozinhar ou leva uma vida corrida. Entretanto, para serem práticos, eles são produzidos com uma alta carga de conservantes, aditivos químicos e gorduras saturadas. Quando consumidos em excesso, causam muitos prejuízos à saúde, inclusive aumentando o nível de colesterol ruim. Evite ou corte de sua dieta: presuntos, apresuntados, mortadelas, hambúrguer, steak, bacon, linguiças, salsichas, salaminhos e enlatados.

Carnes gordas

As carnes gordurosas, como a picanha, maminha ou de porco, dispõem de uma quantidade muito elevada de gordura insaturada que contribui para o aumento do colesterol. A dica é remover a gordura aparente e a pele, no caso de aves, na hora do preparo. Além disso, o ideal é dar preferência a preparações grelhadas, bem passadas, assadas ou cozidas.

Margarina

A margarina também faz parte dos alimentos industrializados, mas merece uma atenção especial. Ela é muito utilizada para substituir a manteiga. Porém, apesar de ser de origem vegetal, algumas margarinas possuem ácido elaídico (trans), composto que provoca uma diminuição dos benefícios do colesterol bom. Na dúvida sobre qual margarina possui e qual não possui esse malefício, o ideal é evitar o alimento ou controlar o seu consumo e de seus derivados.

Sorvete

O queridinho do verão infelizmente é um grande vilão para quem tem colesterol alto. Para oferecer o sabor delicioso e cremoso, o sorvete precisa conter um elevado teor de gordura de leite, gordura vegetal hidrogenada, frutose ou adoçantes à base de glicose e aromatizantes. Por essa razão, ele geralmente possui altos níveis de açúcar, gorduras trans, corantes e aromatizantes artificiais. Assim, além de elevar o LDL, o sorvete reduz o HDL. Portanto, deve ser consumido com moderação. Você também deve evitar:

  • manteiga
  • ovos
  • biscoitos
  • bebidas alcoólicas
  • creme de leite
  • queijo amarelo
  • salgadinhos
  • frutos do mar
  • frituras
  • doces e chocolates

Alimentos que devem ser consumidos

Uma dieta saudável consiste em dar preferência a opções diversificadas e naturais. Veja quais alimentos são os mais indicados para equilibrar o colesterol.

Peixes ricos em ômega 3

O consumo de peixe é muito importante, principalmente os que são ricos em ômega 3, uma gordura poli-insaturada que ajuda a aumentar os níveis de HDL e a reduzir o LDL e os triglicerídeos. Essencial ao bom funcionamento do coração e do sistema circulatório, também tem ação anti-inflamatória, reduz a pressão arterial e ainda evita o entupimento das veias. Pode ser encontrado em peixes como arenque, atum, cavala, sardinha e salmão.

Verduras, frutas e legumes

Sem dúvida, esses três grupos de alimentos são poderosos em qualquer dieta. Podem ser usados como anti-inflamatórios e antioxidantes, além de serem uma forma natural de abaixar o nível do colesterol ruim e elevar o bom. As verduras como espinafre, couve, repolho, brócolis e alface combatem os danos do radical livre e ajudam a retirar o colesterol ruim das paredes das artérias. As frutas também são ótimas aliadas, principalmente as vermelhas como a  acerola, amora, cereja, açaí, ameixa, goiaba, tomate e morango. Essas frutas inibem a oxidação do LDL. As leguminosas, como feijões, grãos, lentilhas e ervilhas são ricas em fibras, o que retarda a taxa e a quantidade de absorção de colesterol.

Oleaginosas

As oleaginosas são ricas em gorduras mono e poliinsaturadas. Elas ajudam a remover as moléculas de colesterol das artérias. Assim, auxiliam na diminuição do colesterol e, consequentemente, protegem contra as doenças cardiovasculares. Inclua amêndoas, avelã, castanha de cajú, castanha do pará, nozes, pistaches em sua dieta. Mas atenção: o uso deve ser moderado para evitar o ganho de peso.

Cúrcuma

Também conhecida como açafrão da terra, a cúrcuma é uma especiaria muito usada na culinária por ser um excelente alimento medicinal. A cúrcuma é rica em óleos voláteis, minerais como o potássio e cálcio, além das vitaminas B e C. É uma excelente opção para impedir a oxidação do colesterol no organismo, tratar inflamações, infecções e problemas gastrointestinais. Além disso, pode aumentar a saúde imunológica, combater vírus, prevenir coágulos, tratar dores crônicas, entre outros. Adicione a cúrcuma ao seu dia a dia. Você pode usá-la como tempero de carnes, legumes e pães. Ou pode consumi-la em forma de chá ou de suplemento encapsulado. Também aposte em:

  • abacate;
  • alho;
  • aveia;
  • azeite de oliva extravirgem;
  • batata doce;
  • cebola;
  • cenoura;
  • cereais integrais;
  • chá verde;
  • damasco;
  • mamão;
  • mandioca;
  • quiabo;
  • semente de abóbora, linhaça, chia e girassol.

As dicas alimentares são super valiosas, mas o ideal é procurar por profissionais da área na hora de montar a dieta. Do mesmo modo, é fundamental praticar atividades físicas, afinal, até quem costuma comer bem pode ter problemas com o colesterol, já que a hereditariedade também é um fator determinante. Gostou do artigo de hoje? Que tal ficar por dentro de mais conteúdos como esse? Então, siga nossos perfis nas redes sociais para não perder nenhuma postagem. Estamos no FacebookYouTube e Instagram!

teste